TRANSIÇÃO DIGITAL | PLANO APROVADO

24 Abril 2020

TRANSIÇÃO DIGITAL | PLANO APROVADO

A pandemia Covid-19 está a afetar toda a economia e população mundial deixando-a em hibernação e obrigando a concentrar todos os esforços ao seu combate. Contudo, a economia e a evolução não irão terminar, cedo necessário pensar no planeamento futuro.

Ainda que complicado durante um evento mundial como esta pandemia de Covid-19, é necessário criar ferramentas e planos de ação, que permita desenvolver guidelines para o, cada vez mais próximo, cenário económico e social pós-Covid.

Nesse sentido no passado dia 21 de Abril de 2020, foi aprovado pelo Conselho de Ministros o novo Plano de Ação para a Transição Digital, que pode ser consultado aqui e que irá delinear pilares estratégicos para a Transição Digital para os anos 2021-2027 de acordo com o novo quadro de Política de Coesão e dos objetivos políticos de investimento da União Europeia.

 

PORTUGAL-DIGITAL-NEWS

 

Com este novo plano de ação, o Governo português, procura colocar Portugal no quadrante líder para enfrentar mudanças de transição globais (como é o caso desta pandemia) garantindo assim aumentos de competitividade económica mas também melhor qualidade de vida para os cidadãos. Para isso, é necessário incentivar as organizações públicas e privadas a utilizarem e apostarem em ferramentas, modelos de produção e pessoas associadas as tecnologias digitais e tecnológicas.

Sendo a Multisector uma consultora de inovação, estas diretrizes são preponderantes para a qualidade do seu trabalho. Contudo a população deverá também perceber quais os objetivos deste Plano de Transição Digital, a fim de se preparar para as mudanças tecnologias, aproveitando as ferramentas e guias a disponibilizar pelo Governo nesta matéria nos próximo anos.

Sendo assim o presente Plano de Transição Digital é assente em 3 fundamentais pilares:

 

Pilar I: Capacitação e Inclusão digital das Pessoas – Enfoca a necessidade de apostar nos recursos humanos e no seu valor acrescentado laboral, permitindo a aproximação das empresas as necessidades de educação, formação / requalificação e inclusão digital da população. Para a implementação deste pilar o Governo português já ativou 2 programas essenciais, o INCoDe.2030 e o Capacitar i4.0 (fase 2).

Pilar II: Transformação digital do tecido empresarial – Salienta a necessidade de implementar ações que possam fomentar o empreendedorismo a aposta digital nas PME e a transferência de conhecimento entre entidades científicas e tecnológicas para a economia, estimulando a capacitação das PME num mundo cada vez competitivo. Os programas +CO3SO Digital e a Generalizar i4.0 (fase 2) são estratégias que visam dinamizar o objetivo desta diretriz.

Pilar III: Digitalização do Estado – Procura reforçar um acesso facilitado e simplificado dos serviços públicos a todos os cidadãos mas também as empresas, aumentando a qualidade do serviço prestado, em todas as vertentes do governo, tornando a administração central mais flexível e a administração regional mais conectada e aberta a inovação. De momento não existe nenhum programa ativo neste pilar estratégico.

Além destas diretrizes o presente aviso também aprovou também 12 medidas e ações fundamentais para uma Economia e Sociedade Digital, algumas delas valem a pena de serem destacadas tais como:

 

→ Programa de Digitalização para as Escolas: Contribuir ativamente para a modernização tecnológica das escolas, aproximando os alunos, professores e formadores as ferramentas de digitais (exemplo: conectividade móvel, manuais digitais, relatórios de progresso ou plataformas digitais)

→ Promoção das Zonas Livres Tecnológicas através da criação de regimes regulatórios especiais: Criação de espaços físicos para demonstração e testes de novas tecnologias com regimes especiais e adaptadas as novas tecnologias disruptivas (e.g: 5G, veículos autónomos), permitindo assim promover a Investigação e Desenvolvimento em Portugal.

→ Tarifa social de acesso a serviços de Internet: Visa a fornecer uma conexão internet a toda a população mais desfavorecida, garantindo assim uma maior uniformidade na literacia digital entre toda a população portuguesa.

→ Digitalização dos 25 serviços públicos mais utilizados por cidadãos e empresas: Procura reduzir níveis burocráticos nos serviços públicos de forma a conseguir uma otimização de comunicação melhorando assim a pegada carbónica do estado.

Para conseguir uma inclusão de toda a população, empresários e estado para a implementação destes pilares, medidas e ações é necessário existir de uma base/suporte de atuação resistente e capaz de impulsionar e facilitar o potencial destas medidas. Neste seguimento, foram identificados catalisadores chave para explorar e capacitar a economia de dados com tecnologias, respeitando éticas e valores de privacidade:

 

→ Regulação, privacidade cibersegurança e ciberdefesa

→ Economia circular de dados

→ Conectividade e infraestrutura

→ Tecnologia disruptiva

→ Alinhamento com estratégia digital europeia

→ Comunicação e promoção

Luís Martins
Estratégia & Desenvolvimento