5 MOTIVOS PELOS QUAIS AS PME RECORREM À CONSULTORIA MULTISECTOR

18 Dezembro 2017

5 MOTIVOS PELOS QUAIS AS PME RECORREM À CONSULTORIA MULTISECTOR

5-motivos

 

Vamos ser honestos, gerir uma Pequena ou Média empresa não é tarefa fácil. É constante a limitação de recursos financeiros, de tempo e recursos humanos, que têm de ser combinados em prol do melhor resultado custo-benefício. O desenvolvimento do negócio é contínuo, move-se em simultâneo em várias frentes e não se pode dar ao luxo de investir erradamente.

 

Em Portugal, o acesso a consultoria especializada por parte das PME é ainda pouco diversificada e não contínua. Tal está diretamente relacionado com a maturidade do mercado mas também com o posicionamento errado da consultoria como um “custo” em detrimento de um “investimento”.

A Multisector colabora com mais de 300 empresas em diferentes domínios numa base regular contrariando este preconceito. Por esse mesmo motivo, decidimos desmitificar esta questão, compilando os 5 principais motivos que os nossos clientes elencam aquando da decisão de aquisição dos nossos serviços:

1. → TEMPO ←

2. → EXPERTISE ←

3. → IDONEIDADE ←

4. → OTIMIZAÇÃO ←

5. → CONFIANÇA ←

1.
→ Tempo ←

“Depressa e bem, há pouco quem!”

– Provérbio Popular

Tomar decisões corretas e atempadamente é o objetivo do dia-a-dia do gestor de qualquer empresa. Nas PME, o centro de decisão é pouco partilhado e por vezes as decisões estratégicas como investimento, financiamento, marketing, entre outros, ficam adiados em função das decisões operacionais do Hoje e agora – o micro management.

Resultado – Tomam-se decisões estratégicas tarde e mal.

A intervenção da consultoria aqui pode agir a dois níveis: olear a organização para a descentralização da decisão pela via da responsabilização – Ex: Desenvolvimento de um controlo de gestão – ou através da preparação da informação necessária para a tomada da decisão de forma rápida e devidamente ajustada (Ex: Plano de Marketing, dossier de financiamento).

2.
→ Expertise ←

“Encontrar uma agulha no palheiro!”

– Provérbio Popular

As pessoas e as competências são um recursos tão ou mais limitado que o tempo ou mesmo o dinheiro. A decisão de contratação de pessoas para suporte à gestão é sempre uma decisão de alto envolvimento e de risco: são recursos qualificados, experientes e onerosos. Estes Recursos precisam ter um perfil polivalente pois para se tornar eficiente deve assumir várias funções de diferentes naturezas.

Resultado – Encontrar este perfil é como “encontrar uma agulha no palheiro”.

Para execução de trabalhos esporádicos que exigem conhecimento técnico-científicos diferenciados deve-se ponderar a contratação de consultoria – Ex: Candidaturas a fundos comunitários, estudos de mercado, vigilância tecnológica, formação. Etc.

3.
→ Idoneidade ←

Onde Sancho vê moinhos, D. Quixote vê gigantes.

Vê moinhos? São moinhos!

Vê gigantes? São gigantes!

– António Gedeão

Talvez uma das maiores dificuldades da gestão é conseguir olhar para o seu negócio do “lado de fora”, muitas das vezes viciado com a rotina da empresa, a visão do gestor torna-se míope aos problemas na organização dada a dificuldade de a ver como um todo. Outra questão, pode ser a dificuldade de alinhar expectativas e opiniões das várias frentes da gestão, dando azo ao conflito.

Resultado – A tomada de decisão torna-se difícil e/ou conflituosa.

A integração da consultoria como figura idónea e capacitada para suporte à tomada de decisão é uma solução para tomar consciência dos problemas e potenciais soluções (Ex: Diagnóstico Estratégico). Assim como o consultor pode ser o veículo de comunicação integrador evitando ou mediador resolvendo o conflito (Ex: Planos de sucessão de gestão).

4.
→ Otimização ←

“O barato sai caro

– Provérbio Popular

A consultoria tem sempre  duas premissas a levar em consideração:

1. Se fizer internamente quanto tempo e pessoas vou ter de alocar?
2. O resultado esperado se contratar consultoria será melhor do que obtido se fizer internamente?

Resultado – A decisão de aquisição de consultoria deve ter sempre uma análise custo benefício entre “fazer internamente” ou “contratar consultoria”.

Esta análise de otimização decorre da correlação dos anteriores 3 fatores de decisão de aquisição de consultoria:

1. Tenho, ou não, esse conhecimento “dentro de portas”?
2. Quanto tempo posso gastar?
3. Preciso, ou não, que os resultados sejam imparciais?

5.
→ Confiança ←

“Confiança não se impõe. Conquista-se.

– L. J. Lebret

Aquando da decisão de contratar, ou não, consultoria, uma das questões dos gestores é “mas como é que alguém externo me vai dar conselhos sobre o que devo, ou não, fazer”. Esta é uma dúvida mais do que legítima, dado que estamos a abrir a nossa empresa a pessoas externas à empresa e laços de confiança têm de ser estabelecidos pela via formal e informal.

Resultado – A escolha de um consultor é um fator crítico na decisão de aquisição, ou não, de serviços de consultoria.

A melhor forma de avaliar um serviço de consultor é pela via de referências, experiência, metodologia da prestação de serviço, se existe partilha de risco e, mais importante, conhecer o perfil e as competências do consultor.

Conclusão

A partir de Janeiro, a nossa newsletter vai incluir uma avaliação dos serviços da Multisector de acordo com estes motivos de contratação de consultoria com base em casos práticos. Esta é a melhor forma de dignificar e apoiar as PME nacionais a apostarem na consultoria como uma forma de agregação de valor e não como um custo.

 

Acompanhe as próximas edições da newsletter para saber de que forma a Multisector tem criado valor para os seus clientes.

 

IRINA MACHADO e JOÃO C. SOARES
Depto. Estratégia e Desenvolvimento.

FacebookTwitterLinkedInGoogle+