SEGURO DE CRÉDITO UMA FERRAMENTA INDISPENSÁVEL NAS TRANSAÇÕES COMERCIAIS!

30 Outubro 2017

SEGURO DE CRÉDITO UMA FERRAMENTA INDISPENSÁVEL NAS TRANSAÇÕES COMERCIAIS!

O que é? Porquê contratar? 

seguro-credito

 

O seguro de crédito protege os negócios das empresas contra o não pagamento da dívida de transações comerciais.

 

Ao garantir que as faturas emitidas pelas empresas aos seus clientes serão pagas em caso de incumprimentos, permite às mesmas gerirem riscos comerciais e políticos de forma segura.

 

O seguro de crédito pode ajudar as empresas na seleção dos seus clientes, mercados e limites de crédito corretos de maneira a evitar e a minimizar o não pagamento da dívida comercial. Consequentemente, quem tem de tomar decisões nas empresas sente-se assim mais confiante para conceder crédito adicional aos clientes atuais e para procurar novos clientes com maior dimensão que, de outra forma, lhe poderiam parecer muito arriscados.

 

Caso os clientes das empresas não consigam pagar, o seguro de crédito adianta o dinheiro para as respetivas faturas seguradas e cuida da cobrança da dívida, por norma, sobre o montante total em divida.

 

Se por um lado o seguro de crédito indemniza perdas decorrentes do não pagamento de dívida comercial, o seu objetivo final é sim ajudar as empresas a evitarem perdas catastróficas e a aumentarem a sua rentabilidade.

 

O segredo reside em ter as melhores informações sobre empresas, setores e tendências económicas, de modo a poder tomar decisões de crédito com boa informação e, consequentemente, evitar e minimizar as perdas. Uma apólice de seguro de crédito comercial pode ajudar a gerir as contas das empresas a receber com reembolso em caso de não pagamento.

Mais importante ainda, o fluxo de caixa perdido que poderá ser devastador. O não pagamento enfraquece as empresas e reduz a sua capacidade de investimento.

 

Por exemplo, se a margem de lucro de uma empresa é de 5% e um de seus clientes deixa de pagar uma dívida de €100 mil, a empresa terá que realizar vendas adicionais no valor de €2 milhões para compensar os lucros perdidos. Como? Onde? E com que meios?!

 

As vendas a prazo geralmente rondam de 40% dos ativos de uma empresa e são suscetíveis de perda se os seus clientes deixarem de pagar. Sabemos que muitas das faturas não pagas ocorrem por conhecimento insuficiente sobre a solvência dos clientes a quem foi dado o crédito.

 

As noticias divulgadas este trimestre, revelam que em média são 17 o número de empresas que pedem insolvência por dia, expectando-se um crescimento exponencial em relação a períodos homólogos. A previsão para o próximo ano é de um aumento da taxa de insolvências, em virtude da diminuição do poder de compra e da retração do consumo, fatores que decorrem da crise e das medidas de austeridade.

 

O que leva centenas de empresas a pedir a insolvência (com ou sem plano de recuperação)?

 

A Impossibilidade de pagar juros, os incumprimentos, a asfixia de tesouraria, são os três maiores fatores.

 

O facto de os negócios rentáveis serem cada vez mais difíceis de encontrar não é relevante quando comparado com a inacessibilidade do recurso ao crédito para manter o necessário fluxo de tesouraria (tendo sempre presente que, entre as empresas mais afetadas, estão as micro e pequenas empresas).

 

Entre os sectores mais afetados, temos o comércio, a retalho e por grosso, restauração, construção civil, a venda imobiliária e transportes terrestres.

 

Uma apólice de seguro de crédito bem desenhada e construída à medida das necessidades de uma empresa, contribui para uma melhor seleção e gestão de uma carteira de clientes tanto no mercado nacional como no mercado de exportação.

 

Qualquer empresa que venda a crédito pode sair beneficiada com o seguro de crédito, e uma coisa é certa, …“mesmo uma estratégia bem definida não pode cobrir todos os imprevistos”.

 

Paulo Ilhéu
Risk Management Consultant

FacebookTwitterLinkedInGoogle+