COMO NASCEM OS PROJETOS INOVADORES

10 Janeiro 2017

COMO NASCEM OS PROJETOS INOVADORES

Todos nós na nossa vida quotidiana nos cruzamos com dificuldades, perdas de tempo e, por vezes, procedimentos aborrecidos, que nos levam a pensar: ‘porque raio é que não ocorre a ninguém melhorar isto!’ Outras vezes deparamo-nos com novos produtos ou novas tendências tecnológicas, e por via da sugestão, a nossa imaginação leva-nos a passear por domínios que parecem sair da ficção científica. Estes são os embriões da inovação que só precisam das condições certas para se desenvolver:

um problemauma ideiauma janela de oportunidadeMultisector.

Alternativamente,

Multisector uma ideia uma janela de oportunidade.

Nesta linha, uma das atividades que na Multisector promovemos consiste na Vigilância Tecnológica. Trata-se de identificar novas tendências tecnológicas e de mercado, de forma articulada com todas as oportunidades de financiamento, decorrentes dos programas de estímulo à competitividade, inovação e I&DT empresarial. Este trabalho envolve a identificação de oportunidades, a análise do estado de arte das respetivas áreas e, subsequentemente, mediante uma análise criteriosa, a apresentação de linhas gerais, para novos projetos, a empresas que se mostrem capazes e reúnam as condições necessárias para o desenvolvimento dos mesmos. O trabalho preparatório que levamos a cabo passa igualmente por reunir com parceiros dos centros de investigação, com o objetivo de avaliar conjuntamente a viabilidade destes projetos embrionários, do ponto de vista técnico e científico e do ponto de vista da sua vertente de inovação. Atualmente estamos a trabalhar ideias na área da biotecnologia, das energias alternativas, das novas plataformas de entretenimento e interação e dos recursos do mar, mas a nossa abertura à inovação é transversal. Destas reuniões preparatórias têm surgido não só novos consórcios que trabalharão nestas ideias, mas também novas empresas que exploram os resultados.

Logo que as linhas gerais destes projetos adquirem os seus contornos finos e se concretiza um plano de trabalho consistente, resta-nos na Multisector arregaçar as mangas e começar a dar os passos necessários ao seu financiamento. Destas ideias embrionárias já saiu o mote para projetos mobilizadores, constituição de redes de trabalho nacionais em torno de áreas específicas e projetos menos ambiciosos, dirigidos a uma só empresa.

 

Adicionalmente, as oportunidades de financiamento para projetos em áreas que são tidas como estratégicas para as entidades públicas de financiamento, podem ser determinantes para que as empresas se mobilizem e definam novas linhas de negócio em torno desses eixos prioritários. Em regra as áreas apoiadas refletem a capacidade instalada e de I&DT existente, e desafios societais que se pretende endereçar. Na base das novas linhas de negócio que podem daqui advir para as empresas, encontram-se as fases de investigação e desenvolvimento, que trazem inovação à oferta das empresas. Para isso é necessário que as competências de I&DT já existam dentro de portas, e que estas oportunidades de financiamento sejam identificadas. Em variados casos há ainda que explorar os contributos que as entidades públicas de investigação e desenvolvimento tecnológico, nacionais e internacionais, podem trazer ao contexto destes novos projetos.

Aceita o desafio? 

 

Alternativamente, no contexto de reuniões com empresas que cumprem outros propósitos, deparamo-nos, em alguns casos, com ideias para novos projetos que são ainda incipientes. Aqui, tratamos de avaliar o estado de arte das áreas tecnológicas envolvidas, a janela de oportunidade que podem explorar e o seu grau de inovação. Mediante uma análise favorável destes fatores, lançamos mãos à obra, para tornar uma ideia vaga e desgarrada, num projeto viável e interessante para as empresas.

 

Tem uma ideia?

 

Contacte o responsável por estes projetos para analisar o enquadramento da sua ideia:
Fernando Pinto
Email: fernando.pinto@multisector.pt
Telefone:  +351 253 303 260

FacebookTwitterLinkedInGoogle+