SLEEKLAB, UMA EMPRESA PARA VOAR MAS COM OS PÉS ASSENTES NA TERRA

22 Novembro 2016

SLEEKLAB, UMA EMPRESA PARA VOAR MAS COM OS PÉS ASSENTES NA TERRA

Os drones, como são conhecidos, têm dominado o mundo, um sector de cada vez. Estes equipamentos com infinitas possibilidades de uso têm sido testados nas mais diversas indústrias, tendo obrigado inúmeros países a prepararem-se para esta “invasão”. Portugal não é exceção, com o mercado dos UAV (Unmanned Aerial Vehicles) em forte expansão, até a Autoridade Nacional de Aviação Civil sentiu a necessidade de desenvolver uma proposta de regulamento específica para o uso destes equipamentos.

O mercado de aplicações destes equipamentos está em forte expansão, de acordo o banco Goldman Sachs, os drones representam uma oportunidade de mercado que ultrapassará os 100 mil milhões de euros já no final da década e é preciso estar na vanguarda da inovação do sector para conseguir acompanhar a estonteante evolução tecnológica que se tem feito sentir, não só ao nível dos drones, mas de todas as novas funções, acessórios e equipamentos periféricos.

É na “crista da onda” do mercado português dos UAV que se encontra a SLEEKLAB, startup que ficou conhecida em 2015 com a sua participação no SharkTank, onde conseguiu a atenção e participação de um dos “tubarões”. Foi nesse mesmo ano que a colaboração entre a SLEEKLAB e Multisector se iniciou com o objetivo de estudar o mercado e identificar oportunidades, no sentido de apoiar a SLEEKLAB na definição do seu modelo de negócio e quais as estratégias a seguir.

sleeklab

Os seus fundadores, José Nunes, especialista em Comunicação e Marketing, e Rafael Batista Engenheiro Mecânico, além de aficionados pelo mundo dos UAV, possuem um elevado know-how no que toca à concepção e fabrico de drones, tendo já desenvolvido diversos projetos de cariz nacional e internacional no desenvolvimento de drones e acessórios personalizados. Ao longo dos últimos 2 anos, a SLEEKLAB tem atuado em diversos segmentos especializados, desde o mapeamento e vídeo 360 a partir do céu, passando pelos media e publicidade aérea até ao desenvolvimento de projetos de I&D centrados da prototipagem de drones customizados.

Um dos seus mais recentes projetos, em parceria com uma startup de desenvolvimento de software foi o de criar um drone preparado para transportar de forma autónoma uma mercadoria entre 2 pontos com mais de 5 km de distância entre si. Projetos como estes têm criado buzz nos media como forma de chamar a atenção para as possibilidades de aplicação destes equipamentos, não só para grande operadores logísticos mas também em fábricas, que com a chamada revolução da indústria 4.0 cada vez mais vêm a ter necessidades específicas de intralogística.

Marmitas voadoras em Penela

Durante os próximos anos, os drones passarão a fazer parte de muitos sectores, como a agricultura, a vigilância, a defesa, desporto, media, entre muitos outros. No caso da Sleeklab, dadas as suas competências na prototipagem e fabrico de drones customizados para necessidades específicas, os sectores da logística e da indústria poderão revelar-se oportunos.

Por um lado, com a evolução do m-commerce a gestão de stocks e entrega de encomendas automatizadas irá tornar-se o futuro a seguir pelas companhias de logística, por outro na indústria, a utilização de drones permitirá minimizar custos e riscos, não só em inspeções industriais, como é caso de barragens, pontes ou turbinas eólicas, mas também no transporte de componentes e ferramentas entre linhas de montagem ou unidades de fabrico.

FacebookTwitterLinkedInGoogle+